OLHANENSE VOLTA A JOGAR NAS FERREIRAS

O Juventude de Évora em Olhão, no desaparecido Estádio Padinha, em 1959/60.

Domingo, pelas 15h00, a formação rubro-negra recebe o Juventude de Évora, novamente no Estádio da Nora. Este será o quarto encontro como anfitrião que disputamos nas Ferreiras, igualando o número de jogos disputados no José Arcanjo na presente temporada (três para o campeonato e outro para a Taça de Portugal).

O adversário é o nono classificado, está dois pontos abaixo da chamada “linha de água”, e trocou durante a semana de treinador (João Nivea sucedeu a João Guerra).

Em Évora, na primeira volta, vencemos por 3-1 (dois golos de Caleb e um de Tiago Dias), partida que foi transmitida no canal de YOUTUBE do emblema alentejano.

O vídeo ainda está disponível para visualização, tal como a ANTEVISÃO ao jogo frente ao Olhanense por parte do técnico e do capitão da equipa alentejana.

Em termos históricos, as duas equipas são velhas conhecidas, principalmente no segundo escalão do futebol nacional (ao contrário do seu rival citadino Lusitano, o Juventude nunca conseguiu chegar ao principal campeonato do futebol nacional) desde a segunda metade do século passado, sendo que os primeiros embates a nível oficial datam dos anos 30.

Neste artigo reproduzimos uma fotografia de uma visita dos eborenses a Olhão, no desaparecido Estádio Padinha (que se localizava onde é actualmente o centro comercial Algarve Outlet). Trata-se da última jornada da 2.ª Divisão da temporada 1959/1960, que terminou com uma goleada de 7-0 para as nossas cores. Na imagem reconhecem-se os rubro-negros Madeira e Gancho num lance de ataque junto à antiga “baliza da cegonha” (o topo sul).

Contudo, as duas equipas já não se encontravam no mesmo campeonato desde a época 1999/2000, então na Zona Sul da antiga 2.ª Divisão B. Na altura vencemos por 3-0 no José Arcanjo (com golos de Seul, Ribas e Rui Loja) e o nosso treinador era da mesma nacionalidade que Edgar Davids, o conhecido Floris Schaap, que a meio dessa campanha passou de adjunto a principal, após a saída de Manuel Balela.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.